Voltar

A perspectiva de gênero

12 de maio de 2021 Ouvir o texto

O conceito de Cidadania Global está em construção e, ao promover o programa Conversas sobre Educação para uma Cidadania Global Significativa, a Fundação SM pretende contribuir com esta construção tanto na teoria quanto na prática. O tema do último encontro foi como educar para a Cidadania Global a partir da perspectiva da igualdade de gênero.

O evento contou com a participação de Clara Maeztu Gomar, especialista em Educação para Cidadania Global na Fundação Entreculturas, na Espanha; Ariana Pérez Coutado, cientista político, coordenadora do Observatório da Juventude na Ibero-américa e autora do estudo “Jovens espanhóis 2021. Ser jovem em tempos de Pandemia”; e Carmen Magallón Portolés, presidenta da Fundação SIP (Seminário de Investigação para a Paz) e doutora em Física, com especialização em História da Ciência pela Universidade de Zaragoza.

A conversa foi mediada por Elisa Bonilla, especialista internacional em educação, membro do Comitê Executivo da Fundação SM e filiada da Rede de Mulheres Unidas pela Educação (MUxED). 

As diferenças de gênero no contexto mundial

De acordo com o último relatório publicado pela Entreculturas, “Niñas libres de violencia. Derecho a la educación, garantía de igualdad” (Meninas livres de violência. Direito à educação, garantia de igualdade), há no mundo 240 milhões de meninas ameaçadas por diversos tipos de violência e discriminação (abuso físico, violência emocional, sexual ou profissional, tráfico, casamento forçado, gravidez indesejada, cyberbullying etc.). Essa ameaça, ou realidade, discrimina milhões de meninas e mulheres jovens e adultas do mundo todo e as impede de desfrutar dos direitos fundamentais e da igualdade de participação.

“Essa violência é um fenômeno global transversal e afeta todos os países, culturas e classes sociais do planeta, alguns mais, outros menos. Por isso, é necessário trabalhar a perspectiva de gênero a partir da educação, com foco nos direitos humanos. Essa violação de direitos afeta e diz respeito a todos nós, não apenas às meninas e mulheres jovens e adultas”, enfatizou Clara Maeztu. 

A situação das mulheres jovens na Ibero-América 

A partir dos resultados de diversas pesquisas realizadas pelo Observatório da Juventude na Ibero-América (OJI), da Fundação SM, sobre atitudes e posicionamentos dos jovens em relação à igualdade de gênero em oito países ibero-americanos, é possível tirar três conclusões principais:

  • A igualdade de gênero é um valor importante ou muito importante para pelo menos 80% dos e das jovens em cinco países ibero-americanos. Na Espanha, esse percentual chega a 90%. Esse aspecto é mais importante para espanhóis, argentinos e colombianos do que para equatorianos e dominicanos. Os movimentos feministas e suas manifestações pela igualdade não poderiam ser explicados sem esse posicionamento e essa liderança juvenil.

A quarta onda do feminismo vem marcada por esse ativismo geracional e a mobilização on-line, apesar das enormes diferenças encontradas também entre os e as jovens, de acordo com suas ideologias, classes sociais, níveis educacionais e origens.

  • Apesar de essa geração valorizar muito a igualdade, não podemos ser triunfalistas, pois ainda há um longo caminho a percorrer. Os e as jovens ibero-americanos não percebem com muita clareza as desigualdades que as mulheres ainda sofrem. Segundo a CEPAL, uma em cada duas mulheres não tem vínculo trabalhista legal e ganha 17% menos que os homens. Em uma pesquisa realizada pela Fundação SM, apenas uma em cada três jovens considera que as mulheres ganham menos e têm menos chance de encontrar trabalho. Entre as cadeiras nos parlamentos ibero-americanos, 29% são ocupadas por mulheres. No entanto, uma em cada três jovens percebe que as mulheres têm menos chance de conquistar cargos de responsabilidade política. É na distribuição das tarefas do lar que se observa uma maior sensibilização quanto à igualdade. Ainda assim, menos de 50% dos jovens percebem essa realidade.

Na Espanha, de acordo com o relatório elaborado pela Fundação SM Jóvenes españoles 2021, do qual Ariana Pérez é uma das autoras, a maioria dos jovens reconhece que existe igualdade para as mulheres; mas as jovens espanholas pensam o contrário e só admitem essa paridade nas possibilidades oferecidas pelo sistema educacional.

  • De acordo com o referido relatório da FSM para a Espanha, os estereótipos de gênero continuam condicionando os conceitos que os e as jovens têm sobre feminilidade e masculinidade. Existe uma certa hostilidade, ou atitudes reativas, em relação à integração das mulheres na esfera pública. Assim, 55% dos jovens concordam com a afirmação de que muitas mulheres procuram obter privilégios em nome da igualdade. No caso dos homens, essa afirmação ultrapassa 60%.

Para Ariana, “tudo isso nos leva a uma reflexão: conseguimos formar uma geração que defende a luta pela igualdade de gênero, mas é preciso aprofundar isso neles para que compreendam a raiz do problema e não fiquem simplesmente nas declarações e no que seria socialmente desejável”.

O que é igualdade?  

A educação global deve responder à ideia de que somos uma única humanidade, interdependente, e que precisamos uns dos outros. Quando falamos de igualdade de gênero, historicamente se promoveu o desejo de ser como o homem branco de classe média.

“A educação precisa recuperar o legado civilizador que as mulheres proporcionaram à história. A presença feminina em todas as áreas do conhecimento precisa ser incluída nos currículos. Devemos não apenas reivindicar, mas também mostrar, dar visibilidade a todas as grandes manifestações históricas das mulheres. Isso é essencial para a construção da Cidadania Global”, ponderou Carmen Magallón.

Uma das grandes contribuições das mulheres, que a pandemia voltou a mostrar, tem a ver com o fato de que são seres radicalmente vulneráveis. O ser humano nasce nu e dependente. Quem sempre se encarregou dos cuidados necessários à sobrevivência? As mulheres. “Esse valor precisa ser universalizado, e essa responsabilidade precisa ser dividida com os homens. Cuidar é tarefa de ambos. É uma tarefa humana, independentemente do gênero”, reforçou Carmen.

A desigualdade feminina afeta também a situação econômica. As mulheres das classes altas ou que conseguem entrar para o mercado de trabalho em condições ideais deixam os filhos ou os pais e parentes idosos a cargo de outras mulheres com menos recursos, muitas vezes imigrantes. “A cadeia do cuidado continua sendo sustentada pelas mulheres. Isso também precisa ficar visível”, disse Carmen.

A especialista levantou uma série de questões sobre aspectos que a educação global deve considerar: “qual é o significado de uma vida digna: trata-se apenas da lógica da acumulação? Ou existem outras lógicas de sentido, como manter a vida, cuidar uns dos outros e proteger a natureza? O que significa desenvolvimento? O que as tecnologias nos oferecem? Elas nos humanizam ou não?”, questiona. Para Carmen, essas e outras questões precisam estar presentes e ser respondidas a partir da educação global.

Como viabilizar a igualdade de gênero numa cidadania global

“Se quisermos que a educação para a cidadania global seja realmente transformadora e inclusiva, precisamos introduzir o enfoque de gênero de forma transversal. É um desafio social global, não apenas educacional, que está relacionado com a defesa dos direitos humanos e com a participação plena de metade da população mundial”, declarou Clara.

Para ela, a escola mista, onde meninos e meninas convivem no mesmo espaço, não garante a igualdade de gênero. “Alcançaremos a igualdade por meio da abordagem da coeducação, que parte do princípio da não discriminação baseada em gênero e que integra a igualdade em todos os processos de ensino e aprendizagem, incorporando-a no currículo oficial, oculto e omitido”, pontuou. Igualmente importante é como se faz, o que ensinam e como se comportam os professores, tutores e diretorias dos centros educacionais. É trabalho de todos os envolvidos na educação. Por isso, é importante o compromisso e a formação dos professores e das famílias. “É preciso treinar o olhar”, concluiu Clara.

Como Ariana apresentou, as pesquisas realizadas pelo OJI da FSM mostram que a igualdade de gênero, os valores ambientais e a justiça social são as três grandes bandeiras da juventude ibero-americana de hoje. A percepção que os e as jovens têm de si mesmos com relação a esses três valores é positiva e orgulhosa; pensam que são capazes de ensinar a geração dos seus pais ou irmãos mais velhos.

No entanto, conforme pontuou, os estereótipos continuam existindo, assim como um forte substrato social de machismo e patriarcalismo. “Precisamos continuar avançando na perspectiva da coeducação, por exemplo, masculinizando as tarefas de cuidado. E precisamos romper com o binarismo que domina as identidades, área em que os jovens avançaram significativamente”, destacou Ariana.

Para Carmen, a perspectiva de gênero contribui em todos os campos da sociedade, inclusive na ciência. “A educação sexista persiste; o homem continua sendo o protagonista da história, da arte e da ciência. Por isso, precisamos dar mais ênfase e valor ao inestimável legado oferecido pelas mulheres, que sempre trouxeram uma visão diferente e transformadora”, afirmou.

Por outro lado, é fundamental contar com os homens para essa tarefa de transformação e visão de coeducação. “Os homens estão mudando, especialmente na esfera privada, e isso não é valorizado. Precisamos que os homens tornem visíveis as mudanças que eles próprios estão fazendo a partir de uma perspectiva de gênero”, ponderou.

Carmen encerrou o webinário trazendo uma questão que precisa urgentemente ser combatida na sociedade, que é a violência de gênero. “Precisamos romper com o fascínio masculino pela violência (incluindo a violência sexual) que, em muitos casos, é exercida indiscriminadamente contra as mulheres”, declarou. Segundo a mediadora Elisa Bonilla, ocorrem pelo menos dez feminicídios diariamente no México.

 

Perdeu os seminários anteriores? Neste link é possível rever como foram os primeiros encontros, além de conferir a programação completa dos próximos webinários.

Assista ao webinário completo:

Educação para a cidadania global como vetor de transformação da escola

Matéria 27/08/2021

O futuro das novas gerações só pode ser abordado a partir de uma comunidade unida por um forte tecido social. Nesse contexto, a educação deve ser uma responsabilidade compartilhada e deve ter um compromisso transformador.

Saiba mais

7º SIEI: O direito à Educação em tempos de pandemia

Matéria 06/08/2021

Dividido em três encontros online, com debates na parte da manhã e oficinas à tarde, o seminário coloca em diálogo profissionais de referência das áreas da Educação, Saúde e Desenvolvimento Social para debaterem sobre a atuação intersetorial no enfrentamento dos impactos da pandemia nas comunidades escolares, sobre políticas públicas e a garantia da aprendizagem e sobre o clima escolar e a saúde emocional de profissionais, estudantes e famílias em contexto de crise.

Saiba mais

Gerald Vergara vence 12º Catálogo Ibero-Americano de ilustração

Matéria 28/07/2021

O ilustrador venezuelano Gerald José Espinoza Vergara foi o vencedor da 12ª edição do Catálogo Ibero-América Ilustra. Cinco ilustradoras brasileiras também terão seus trabalhos integrados na edição de 2021 do Catálogo.

Saiba mais

Geovany Hércules vence o Prêmio Barco a Vapor 2021

Matéria 26/07/2021

Obra do escritor e humorista Geovany Hércules retrata o dia a dia e os desafios de um grupo de jovens que vivem no Grajaú, na periferia de São Paulo.

Saiba mais

Novos Pontos Myra vão apoiar formação leitora em comunidade

Matéria 16/07/2021

Instituições de oito municípios se inscreveram para participar do processo seletivo de novos Pontos Myra, realizado por edital. Dessas, duas - uma de Goiás e outra da Bahia - foram selecionadas pela Fundação SM e Comunidade Educativa CEDAC, que estão juntas desde a criação do Myra.

Saiba mais

Ver mais notícias