Voltar

Fernando Reimers – Desafios e oportunidades de ensinar e aprender no século 21

16 de dezembro de 2016 Ouvir o texto

Os desafios e impactos promovidos pela globalização, no século 21, vão além dos setores da economia, da tecnologia e da política internacional. Isso é o que mostra a pesquisa conduzida pelos diretores da Iniciativa Global pela Inovação na Educação de Harvard, Fernando Reimers e Connie Chung, no livro recém-editado pela Edições SM, Ensinar e aprender no século XXI – Metas, políticas educacionais e currículos em seis nações. “O campo da educação não tem se mostrado imune a essa turbulência, com rápidas mudanças ocorrendo tanto dentro como fora dos sistemas educacionais tradicionais: o advento do ensino online customizado no plano mundial, por exemplo, parece tornar permeáveis os limites das instalações escolares e até mesmo dos estados nacionais; a ideia de uma certificação de competência na educação introduz novas possibilidades num sistema movido, em grande medida, por promoções acadêmicas automáticas cm base na idade; e tanto a necessidade de ‘aprender a aprender’ como a demanda por uma educação relevante para a vida estudantil são mais prementes do que nunca e faze das rápidas mudanças que vêm ocorrendo no mundo”.

Em entrevista ao site da Fundação SM, Fernando Reimers fala sobre o impacto do processo de globalização na educação, além de compartilhar dados, reflexões e conclusões da pesquisa empreendida no Chile, China, Índia, México, Cingapura e Estados Unidos.

Esta entrevista foi dividida em duas partes. Publicaremos a continuação na próxima semana.

Qual é a origem do Programa de Investigação da Iniciativa Global pela Inovação na Educação

Fernando Reimers – Durante três décadas de trabalho, pesquisando e assessorando governos e instituições educativas sobre como expandir as oportunidades educativas para crianças e jovens mais vulneráveis, minha compreensão do que significa oportunidade educativa evoluiu gradualmente. Inicialmente, entendia como oportunidade educativa dar acesso aos estudantes e apoiar as escolas a melhorar com maior efetividade.

No final dos anos noventa, como resultado de um estudo sobre oportunidades educativas na América Latina, esta compreensão foi ampliada e passou a incluir a relevância da educação. O pensamento deu origem a uma década de trabalho, em que estudei de que forma as escolas podiam preparar os estudantes para a participação cívica em sociedades democráticas.

A atuação em educação para o exercício da cidadania democrática se estendeu à pesquisa e ao desenvolvimento de programas para promover a cidadania global. Sobre esta base, compreendi que é fundamental que a educação empodere o jovem para cuidar de sua própria vida e para melhorar o mundo. Esse é o alicerce sobre o qual desenvolvi a Iniciativa Global pela Inovação na Educação.

Como foi estruturada e quais são os objetivos da Iniciativa Global pela Inovação na Educação?

Fernando Reimers – A iniciativa integra três linhas de trabalho: pesquisa, construção de diálogos informados e desenvolvimento de ferramentas, que permitam fortalecer a capacidade da escola pública de oferecer uma educação relevante no século 21. O objetivo da iniciativa é ampliar o conhecimento sobre a forma como as escolas públicas oferecem aos jovens a oportunidade de desenvolver competências, que vão transformá-los em arquitetos de suas vidas e contribuir para a melhoria das comunidades das quais fazem parte.

Quais foram os critérios de seleção dos seis países participantes da pesquisa?

Fernando Reimers – Convidei a integrar este consórcio um conjunto de instituições de diversos países – Brasil, Chile, China, Colômbia, Índia, México, Cingapura e Estados Unidos. A seleção incluiu critérios como a identificação de países com uma porcentagem significativa de alunos em idade escolar; países em que a educação fosse uma prioridade política; países em que encontrássemos uma instituição que compartilhasse nossas metas e visão sobre como apoiar a melhoria da educação pública.

Entre os trabalhos de pesquisa que temos realizado se encontra um estudo das normas nacionais no Chile, China, Índia, México, Cingapura e Estados Unidos; e uma avaliação acerca de como estes países refletem uma visão mais moderna sobre quais são as competências que empoderam os jovens.

Quais são as semelhanças e diferenças entre as práticas pedagógicas e políticas públicas de educação realizadas nesses países?

Fernando Reimers – A educação pública tem uma origem e objetivos comuns em todos esses países, e boa parte da estrutura do currículo é semelhante. Em todos se enfatiza o desenvolvimento de competências cognitivas, nas áreas da linguagem, matemática e ciências. Em todos eles, também os objetivos do currículo foram ampliados na última década, na busca por maior ênfase no desenvolvimento da capacidade de conhecer e poder governar a si mesmo, e das capacidades de colaborar com os demais e liderar. Com esta ampliação nas metas do currículo, aumenta também a percepção de que a escola pública é deficiente para satisfazer as expectativas que existem sobre ela. Isso leva diversos grupos ao abandono da escola pública em busca de opções privadas para substituir ou complementar a formação.

No entanto, descobrimos também que, em todos os países, existem inovações significativas, que procuram oferecer uma formação mais integral, que promova o desenvolvimento simultâneo de capacidades cognitivas, de personalidade e de capacidades sociais e de liderança. Achamos que é muito importante estudar essas iniciativas e, a partir do conhecimento derivado de seu estudo, construir oportunidades de melhoria para a maioria das escolas públicas.

Que mudanças são necessárias no escopo da escola para assegurar aos estudantes a oportunidade de contribuir e atuar em um mundo globalizado?

Fernando Reimers – Estabelecer uma relação mais estreita entre o que se aprende na escola e os acontecimentos que os alunos experimentam em suas vidas, que reflita um mundo cada vez mas integrado como resultado dos desenvolvimentos tecnológicos. A globalização em si é um processo inevitável e que oferece oportunidades de melhorias humanas, mas que não, necessariamente, tem oferecido a todas as pessoas as mesmas oportunidades. Esta é a razão pela qual alguns grupos rejeitam a globalização, como se viu nas eleições do Brexit, na Grã-Bretanha, e na recente eleição presidencial nos Estados Unidos. É por isso que a educação para o desenvolvimento da cidadania global é essencial, para permitir que os jovens compreendam o mundo em que vivem – altamente globalizado –, e para que possam fazer da globalização uma oportunidade para a melhoria do bem-estar humano, da sustentabilidade ambiental e da paz.

Por Priscila Fernandes

Programa Myra promove bate-papos online

Matéria 18/06/2020

Conversas online reuniram diferentes especialistas, bem como as diretoras das escolas públicas parceiras do Programa também foram convidadas para participar de discussões em torno do universo da leitura.

Saiba mais

6º SIEI terá mais dois encontros online

Matéria 17/06/2020

Encontro de junho discutirá a "Docência em tempos de pandemia" e o encontro de julho será sobre "A volta às aulas pós-pandemia".

Saiba mais

Coleção Barco a Vapor está disponível para download

Matéria 17/06/2020

As 15 obras literárias infantis e juvenis vencedoras do Prêmio Barco a Vapor estão disponíveis na íntegra e gratuitamente para download.

Saiba mais

Confira como foi o primeiro SIEI totalmente online

Matéria 17/06/2020

O evento contou com depoimentos gravados de estudantes, familiares, professores e gestores escolares, de diferentes lugares do Brasil e debateu sobre como ensinar e aprender neste período de pandemia: qual o papel da educação integral?

Saiba mais

O mundo sitiado?

Matéria 12/06/2020

"O mundo de ponta-cabeça?" é um conto que nasceu como uma explicação para crianças abaixo dos sete anos, que transmite uma mensagem de esperança a pessoas de todas as idades: o amor nos manterá de pé.

Saiba mais

Ver mais notícias