Voltar

Guilherme Semionato vence Prêmio Barco a Vapor

20 de agosto de 2020 Ouvir o texto

O escritor natural do Rio de Janeiro Guilherme Semionato é o vencedor da 16ª edição do Prêmio Barco a Vapor com o livro “A bicicleta azul”, que apresenta uma narrativa delicada envolvendo memórias e afetos de família.

“É um começo de carreira incomum, mas é importante colocar as coisas em perspectiva: foram 34 anos para chegar aqui e, sim, é certo que eu ganhei dois concursos literários, o Barco a Vapor e um prêmio português, mas antes disso me inscrevi em dezenas deles e perdi todos. O verdadeiro prêmio é escrever, é a alegria da criação”, diz Semionato que participou de cinco outras edições do Prêmio Barco a Vapor.

Em sua narrativa, o autor confere múltiplos sentidos a um objeto cotidiano: uma bicicleta antiga, que pertence à família do protagonista, um menino que adora desenhar e deseja um estojo completo visto numa papelaria próxima. Entre querer e poder, ele acaba tomando uma decisão impensada envolvendo a bicicleta. Na angústia do arrependimento e a busca de solução para resolver a situação, toma contato com memórias familiares, fortalecendo seus laços afetivos.

Semionato se orgulha ao constatar que os escritores vencedores do Barco a Vapor dos últimos dez anos são quase sempre inéditos ou iniciantes, apesar de o prêmio ser aberto a todos.

“Torço para que seja sempre assim e desejo aos quinze vencedores anteriores e aos próximos quinze, vinte, trinta, que jamais percam de vista a literatura que agrada crianças e jovens”, conclui.

Além de entreter e divertir, ler livros de literatura amplia a visão e o repertório de conhecimento sobre o mundo. Em tempos de pandemia, em que as crianças estão em casa, não há nada melhor do que incentivar esse hábito.

Confira, a seguir, a lista com todas as obras vencedoras das edições anteriores do prêmio Barco a Vapor. Vale lembrar que durante o período de pandemia, todas as obras estão disponíveis para serem lidas na íntegra.

Coleção Barco a Vapor

O fabuloso Professor Fritz e a menina das pétalas amarelas
Autor: Alexandre Rathsam
Vencedor de 2019

O fabuloso professor doutor Fritz Rasbundel é um pesquisador importantíssimo, seu único problema é a palavra solta, síndrome que afeta sua comunicação a tal ponto que ninguém entende o que ele fala! Certo dia, porém, ele conhece uma garotinha intrigante, com um problema mais intrigante ainda e, como sábio homem da ciência, ele assume a missão de solucionar esse caso tão surpreendente. Afinal, “os vapores fazem as pochetes criar cotovelos quando saem do porta-luvas!!

A vaca presepeira
Autor: João Paulo Hergesel
Vencedor de 2018

A vaca Juno mora numa fazenda e, todo Natal, trabalha como atriz no presépio vivo ao lado de outros animais. Sua vida não é das piores, mas ela tem um sonho inusitado: ser rena do Papai Noel. Para realizá-lo, Juno contará com a inteligência do Burro e de outros amigos que fará pelo caminho, como o cachorro pirata. Além disso, terá de arrumar verba para a longa viagem rumo ao Polo Norte. E é assim que ela vai trabalhar em outras festas ao longo do ano, como o Carnaval, a Páscoa e as juninas. Entre muitos desafios e aventuras, ela se tornará a protagonista da própria história, sem deixar-se desanimar pelas gozações e preconceito alheio.

O cometa é um sol que não deu certo
Autor: Tadeu Sarmento
Vencedor de 2017

Emanuel é um menino que vive num campo de refugiados sírios no deserto da Jordânia. Entre privações e obrigações, encontra lugar para sonhar na companhia dos amigos, como a menina Amal, por quem nutre um sentimento diferente, que não compreende muito bem. Pelo olhar sensível do protagonista, o leitor é apresentado ao drama dos refugiados sírios e acompanha os dilemas e sonhos de Emanuel em meio ao seu cotidiano sofrido e incerto.

Deslumbres e assombros
Autor: Lucas Carvalho
Vencedor de 2016

Narrativa do gênero fantasia que conta as aventuras de Naia, uma menina curiosa e atrevida por reinos inimagináveis. No Vilarejo, onde ela mora com os pais, tudo é agradável e perfeito, mas nenhum habitante se dá conta do privilégio que é viver lá por desconhecer o que há de fora dele. Ou seja, o único mundo que conhecem é aquele, não havendo base de comparação. Naia, porém, é uma leitora e, como tal, um dia se questionará sobre o desconhecido. Movida por essa curiosidade, ela decidirá ultrapassar sozinha a fronteira de seu mundo, iniciando uma jornada fabulosa, que redefinirá as medidas do tempo e do espaço.

O Vento de Oalab
Autor: João Luiz Guimarães
Vencedor de 2015

Um balão de pensamento vazio se desprende da página de uma história em quadrinhos e cria vida própria ao se dar conta de que é capaz de pensar. Impulsionado pela descoberta e feliz pela liberdade conquistada, reflete sobre as coisas do mundo e sobre si mesmo, embarcando em uma aventura fascinante que envolve desde questões existenciais de uma gema de ovo e o segredo ancestral do vento até a criação poética.

A conta-gotas
Autor: Ana Carolina Carvalho
Vencedor de 2014

Olívia não tem contato com a mãe, que foi embora de casa quando ela tinha nove meses. Inconformada com a ausência da figura materna, na adolescência ela resolve empreender uma busca paciente para reencontrá-la e assim resgatar essa parte fundamental de sua história. Bem lentamente, a conta-gotas, ela vai descobrindo o que de fato aconteceu. Um retrato tocante sobre os dilemas da ausência e a persistência na superação.

Adeus é para super-heróis
Autor: Isabela Noronha
Vencedor de 2013

Despedidas não são fáceis. Que o diga o Tom, o garoto que engoliu o “adeus” para o melhor amigo. Tudo aconteceu rápido: sentiu uma coisa agarrada na garganta, o estômago revirou, veio um gosto esquisito na boca. Ao longo da semana, lá se foram “barco”, “mola”, “castelo”, “piscina”… Sorte que há palavras elásticas, como “amizade” e “amor”, e caminhos alternativos para expressar sentimentos. Por meio deles, Tom elabora esta e outras separações importantes em sua vida.

A inacreditável história do diminuto Sr. Minúsculo
Autor: Marcílio Godoi
Vencedor de 2012

Ninguém sabe, ninguém viu. O fato é que dentro da antiga máquina de escrever mora um homenzinho menor que um grão de arroz. Apesar da aparência de velhote, vive pregando peças nas palavras, dando nelas um susto bom de novidade. Meio maluco, muito engraçado, o senhor Minúsculo gosta de jogar letra-relâmpago. É só ouvir o tec-teclar do escritor para o diminuto logo armar o salto estilingue, lançar-se em direção aos caracteres impressos na folha de papel e transformar-se num deles… Aí vem o pega-pega com as sílabas, o esconde-esconde de sentidos, a ciranda das histórias…

O coelho que não sabia Gates
Autor: Thiago Irley
Vencedor de 2011

Branco de nascença, colorido por acidente, o Coelho Azul está vidrado numa gatinha janeleira, linda e inacessível. Mas como abordá-la se ele só fala coelhês? O amor, porém, ensina novas línguas. Para tanto, o coelho enfrentará um exército de ratos, descerá ao fundo do esgoto e perseguirá um terrível dinossauro, antes de se tornar aluno de um bichano pra lá de ladino. Valerá à gatinha tanto sacrifício?

A guardiã dos segredos de família
Autor: Stella Maris Rezende
Vencedor de 2010

Aos 13 anos, Nenenzinha é uma “miunça” de gente, uma “fripinha” de nada que se agiganta quando quer muito uma coisa. Por isso, não hesita em sair da casa dos pais para cuidar de quatro sobrinhos órfãos, pouco mais novos do que ela. Após a morte da mãe, essas crianças são confiadas a Sebastião, irmão mais velho de Nenenzinha, e passam a sofrer sob as ordens de Delminda, tia bruxa, que os enche de trabalhos, regula a comida e impede a brincadeira. Mas a tia menina, manejando amorosamente os segredos dessa família, protegerá adultos e crianças, defendendo seus sonhos e sua memória.

O sumiço da pantufa
Autor: Mariângela Haddad
Vencedor de 2009

Uma grande mão cabeluda agarra a pantufa e a atira pela janela. Ninguém sabe quem foi, mas ao menos há testemunhas: dois pares de sapatos, que costumam ficar embaixo da cama. Vários personagens dão versões sobre o mistério. Um gato de rua aninha-se no “bolso peludo”, e a própria pantufa conta o que aconteceu, porém não sabe apontar o culpado. Afinal, como ela saiu de baixo da cama de seu dono e foi viver aventuras por aí? Nessa narrativa bem-humorada, diferentes vozes ajudam o leitor a resolver o mistério.

Pivetim
Autor: Délcio Teobaldo
Vencedor de 2008

Pivetim mora no morro, com a família, mas ainda criança se torna menino de rua. Passa fome e frio. Conhece a violência e o crime. No entanto, vive também muitas aventuras e experimenta solidariedade, amizade e amor. No asfalto, ele se junta a Que Fedor, Dimba, Maravilha, Bala Perdida e Carol, cuja sensibilidade é moldada pela vida nas ruas. É o próprio Pivetim quem narra sua história, em linguagem ao mesmo tempo crua e de grande beleza.

A distância das coisas
Autor: Flávio Carneiro
Vencedor de 2007

Pedro tem 14 anos, perdeu o pai quando era criança e recebe a notícia de que sua mãe morreu em um acidente de carro. Só lhe resta morar com o tio, que o proíbe de ir ao enterro da mãe e até mesmo de visitar seu túmulo. Desconfiado, o garoto acredita que estão lhe escondendo algo e resolve dar uma de detetive. Em busca da verdade – e com a ajuda da amiga Marina -, ele revira a intimidade do tio, resgata momentos decisivos que viveu com a mãe e descobre segredos que vão influenciar sua vida.

Era mais uma vez outra vez
Autora: Glaucia Lewici
Vencedor de 2006

Depois de passar anos na estante de uma biblioteca pegando poeira, um livro de contos de fadas finalmente é retirado por uma leitora. Narrador e personagens se surpreendem, pois a história está toda bagunçada: o reino da Calibúrnia já não existe, o rei vive na praia e o dragão se apaixonou pela princesa. O narrador sai em busca desses personagens e dá um jeito de reencenar a história.
Além do prêmio, foi selecionado pela FNLIJ para o Catálogo de Bolonha 2008 e altamente recomendável pela FNLIJ em 2008 – Categoria Criança.

O rapaz que não era de Liverpool
Autor: Caio Riter
Vencedor de 2006

Marcelo, de 15 anos, aparentemente não tem problemas: seus pais são legais, se dá bem com os irmãos e tem uma namorada linda. Como ele mesmo diz, vive uma vida de “comercial de margarina”.Esse mundo perfeito, porém, sofre sério abalo: em uma aula de Biologia, o garoto conclui que foi adotado. Seu cotidiano vira de cabeça para baixo. Entre trechos de canções do Beatles, ele vai descobrir como lidar com seus afetos.

Cidadania Global: uma visão plural e transformadora da sociedade e da escola

Matéria 16/11/2020

A educação é a pedra angular desta nova era; uma educação que deve ser pensada pelos próprios educadores, que eduque para ser e para conhecer. Isso significa ensinar a pesquisar, ou seja, desenvolver a “capacidade de pensar o que ninguém pensou antes”.

Saiba mais

Agenda: Educação para uma Cidadania Global Significativa

Matéria 16/11/2020

Confira os temas de todos os webinários e veja os principais destaques dos encontros que já ocorreram.

Saiba mais

Fundação SM lança programa de Educação para Cidadania Global

Matéria 22/10/2020

Fundação SM trabalha com as escolas para construir uma educação mais global, mais solidária, mais humana e mais inclusiva

Saiba mais

Fundação SM apoia programa de formação em Educação Integral na Bahia

Matéria 21/10/2020

Mais de 700 profissionais de educação do estado da Bahia começaram a participar de um programa de Formação em Fundamentos e Práticas da Educação Integral.

Saiba mais

Fundação SM apoia projeto em prol da alfabetização

Matéria 07/10/2020

“Um sonho feito de linhas” é uma obra inspirada nas histórias de mulheres reais e faz parte de movimento pela alfabetização de todas as crianças até os 7 anos de idade.

Saiba mais

Ver mais notícias