Voltar

Integração e diálogo com o território

5 de outubro de 2017 Ouvir o texto

“A educação autêntica, repitamos, não se faz de ‘A’ para ‘B’, ou de ‘A’ sobre ‘B’, mas de ‘A’ com ‘B’, mediatizados pelo mundo. Mundo que impressiona e desafia a uns e a outros, originando visões ou pontos de vista sobre ele”, Paulo Freire, Pedagogia do Oprimido.

A experiência viva da educação integral aponta: se quisermos caminhar em direção a uma sociedade menos desigual, teremos que estreitar os laços, entabular diálogos e ampliar as fronteiras do olhar. O século em que vivemos gera novos questionamentos e demanda soluções que exigem atitudes inovadoras em relação à aprendizagem.

Projetos implementados Brasil afora confirmam que, para além da ampliação temporal da jornada escolar, a educação integral possibilita a visão da aprendizagem sob o signo do desenvolvimento integral, que acontece por meio das vivências que os sujeitos acumulam não só ao longo da vida escolar, mas ao longo de toda a vida.

Em teoria, pode parecer que a educação integral é a solução mágica para resolver todos os (inúmeros) problemas da educação brasileira e levá-la, finalmente, ao século 21. No entanto, é preciso ressaltar que o conceito, ainda muito novo em terras brasileiras, não vem com manual de instruções e não entrega todas as respostas. Talvez um de seus principais aportes para a construção de uma escola mais contemporânea seja, justamente, a flexibilidade, que permite a cada comunidade escolar adaptar o modelo às suas necessidades, desafios e valores. 

Escola Integrada

A experiência da Escola Integrada, iniciada pela Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte, a partir de 2002, pode dar uma boa ideia de como a concepção de educação integral tem a capacidade de ser criativa o suficiente para abraçar as demandas da comunidade, e de como esta se transforma a partir de um desenho customizado para atendê-la.

O primeiro passo em direção à adoção da ideia foi a promulgação de uma lei, que possibilitou a implementação da jornada escolar de tempo integral no ensino fundamental, em instituições municipais. Com isso, a permanência média do aluno na escola teria que alcançar nove horas diárias, no lugar das antigas quatro horas. Ademais do aumento da carga horária, a lei também assegurava ao aluno, além da formação básica, o acompanhamento de seu desempenho escolar; atividades culturais, artísticas, esportivas e de lazer; atividades que possibilitam a convivência com os colegas e a prática da cidadania; noções de informática; e ainda três refeições diárias.

A primeira instituição a adotar os parâmetros da lei de tempo integral, em Belo Horizonte, foi a Escola Municipal Marechal Humberto Castelo Branco, rebatizada como Escola Municipal Monteiro Lobato. Na época de sua inauguração, a Secretaria começou a pensar no plano de conversão das 189 escolas da rede ao sistema de tempo integral. O processo trouxe à tona vários impasses, desafios e exigências, que poderiam colocar em risco a continuidade do projeto. Quanto tempo seria necessário para implementar o programa em todas as escolas? Qual a estrutura básica para a realização das atividades? Seria mais viável transformar as edificações para atender às solicitações do programa? Ou a solução seria construir novas instalações?

Foi com essas indagações em mente que os representantes da Secretaria participaram do Fórum Mundial Social de Nova Iguaçu, em 2006. O contato com a proposta de aprendizagem do bairro-escola, desenvolvido em Nova Iguaçu, seria um dos marcos para a expansão do olhar sobre as questões mapeadas no Escola Integrada.

A partir daí, teve início o planejamento do projeto de educação integral em Belo Horizonte, e, com ele, surgiram novos questionamentos. Para que o programa fosse bem-sucedido foi imprescindível envolver outras Secretarias e levar em consideração a questão do território. A equipe da Prefeitura entendeu que precisava conhecer e aprender novos conceitos, experiências e metodologias. Neste momento, a parceria com o Aprendiz foi estratégica para a elaboração do projeto e reflexão sobre novos arranjos escolares.

As equipe intersetoriais passaram a trabalhar com a tecnologia de georreferenciamento, mapeando o entorno da escola candidata a participar do programa. Com o entorno mapeado, era preciso abrir e estabelecer um diálogo com a comunidade escolar. A resposta viria com a formação de professores comunitários, ministrada pelo Aprendiz.

Com a adesão voluntária de cinquenta escolas, o programa ganhou vulto e passou a ter uma gestão compartilhada por diversas Secretarias (Educação, Cultura, Saúde, Transporte, Obras, Esporte, Infraestrutura, Abastecimento e Assistência Social ), sob a coordenação da Secretaria do Planejamento. A parceria com agentes da comunidade, lideranças locais e universidades foi outra estratégia importante para o desenho do projeto. Ao envolver diferentes atores, o programa abriu a escola, num diálogo inédito com a comunidade e suas diferentes práticas.

O engajamento da comunidade gerou um grande impacto no território. Ruas mais limpas e seguras, motoristas mais atentos ao entorno, moradores mais unidos e informados, familiares mais conscientes. E, o mais importante, a garantia de uma aprendizagem significativa para crianças e jovens.

A experiência bem-sucedida de Belo Horizonte e o projeto Bairro-Escola Nova Iguaçu dariam origem ao embrião do Programa Mais Educação, implementado na gestão do Ministro da Educação, Fernando Haddad, durante o governo do Presidente Lula. 

Impacto

Para além da mensuração do impacto do programa na aprendizagem, a partir de métricas oficiais como o IDEB, existem pesquisas que apontam o aumento do envolvimento de pais e alunos com o processo educativo. Segundo o relatório Avaliação Econômica do Programa Escola Integrada, publicado pela Fundação Itaú Social, em relação ao período de 2007 a 2010, os responsáveis pelas crianças que passaram a frequentar a Escola Integrada notaram mudanças positivas de hábitos e atitudes, como o aumento da leitura de livros, revistas e jornais; o aumento do tempo de uso do computador; uma maior participação em atividades culturais; um maior interesse e dedicação aos estudos; e melhores hábitos de higiene. Os técnicos consideram que a política contribuiu “para a construção de um ambiente propício ao desenvolvimento das crianças, dentro e fora da escola, com a mudança de diversos hábitos associados ao melhor aproveitamento do aluno”.

Os resultados da Escola Integrada e do Mais Educação são positivos. No entanto, ainda existe um longo percurso pela frente até a consolidação de uma escola que garanta uma aprendizagem contemporânea para todos os estudantes. A escola é um importante agente educador, lugar de encontro entre crianças, adolescentes e comunidade. A educação integral propõe não só a reconfiguração e estreitamento desses laços, como também novas possibilidades educativas, mais focadas numa perspectiva de formação integral do indivíduo.

 

*Pilar Lacerda é Diretora da Fundação SM. Este artigo foi publicado originalmente no livro Aprendiz, 20 anos de histórias e reinvenção, edição comemorativa dos 20 anos da Cidade Escola Aprendiz (2017).

Programa Myra promove bate-papos online

Matéria 18/06/2020

Conversas online reuniram diferentes especialistas, bem como as diretoras das escolas públicas parceiras do Programa também foram convidadas para participar de discussões em torno do universo da leitura.

Saiba mais

6º SIEI terá mais dois encontros online

Matéria 17/06/2020

Encontro de junho discutirá a "Docência em tempos de pandemia" e o encontro de julho será sobre "A volta às aulas pós-pandemia".

Saiba mais

Coleção Barco a Vapor está disponível para download

Matéria 17/06/2020

As 15 obras literárias infantis e juvenis vencedoras do Prêmio Barco a Vapor estão disponíveis na íntegra e gratuitamente para download.

Saiba mais

Confira como foi o primeiro SIEI totalmente online

Matéria 17/06/2020

O evento contou com depoimentos gravados de estudantes, familiares, professores e gestores escolares, de diferentes lugares do Brasil e debateu sobre como ensinar e aprender neste período de pandemia: qual o papel da educação integral?

Saiba mais

O mundo sitiado?

Matéria 12/06/2020

"O mundo de ponta-cabeça?" é um conto que nasceu como uma explicação para crianças abaixo dos sete anos, que transmite uma mensagem de esperança a pessoas de todas as idades: o amor nos manterá de pé.

Saiba mais

Ver mais notícias