Voltar

Mais pessoas nas escolas

5 de junho de 2019 Ouvir o texto

Sou do país de Paulo Freire e começo por ele: “ninguém educa ninguém, ninguém se educa sozinho, nos educamos no encontro, mediados pelo mundo.” Outros grandes pensadores de diferentes partes do mundo disseram o mesmo, mas continuamos jogando toda a carga em professores e familiares – e muitas vezes os familiares jogam para os professores e os professores para os familiares. Eu me dedico a botar mais gente nesta roda.

Coordeno o Quero na Escola, projeto que faz isso de forma muito clara: os estudantes se inscrevem na nossa plataforma e dizem o que mais gostariam de aprender além do currículo que já têm na escola, divulgamos isso para o mundo, cadastramos voluntários que possam falar destes temas pessoalmente e conversamos com as escolas para que aceitem a entrada destas pessoas. Os temas motivadores são importantes, mas o principal é a entrada de novas pessoas na educação. Nossa missão é estourar a bolha da educação pública.

Em três anos de projeto, mais de 200 atividades foram realizadas espalhadas por metade dos 26 Estados do Brasil. Isso é possível porque o voluntário que vai à escola é o vizinho, o ativista local, o profissional da região ou quem quer que entenda da arte, profissão, tema tabu ou qualquer assunto que um jovem tenha solicitado. Nosso trabalho é fazer a ponte e sustentar o compromisso das duas pontas até que se encontrem.

Não temos um modelo de atividade. Nos preocupamos com o currículo do voluntário apenas para poder contar à gestão da escola quem é o voluntário. Não estabelecemos formato de atividade ou quantidade de visitas. Se a pessoa separa seu tempo e se desloca voluntariamente, sabemos que tem muita vontade envolvida e não é à toa que a raiz das palavras vontade e vocação são as mesmas.

Embora dezenas de temas tenham sido atendidos em formatos que variam de um encontro a curso de seis meses, os feedbacks que recebemos de estudantes, educadores que acompanham e inclusive dos próprios voluntários normalmente se parecem: todos comemoram o encontro diferente do cotidiano.

 

Por Cinthia Rodrigues

Publicado originalmente em Líderes Transformadores da Educação

Cidadania Global: uma visão plural e transformadora da sociedade e da escola

Matéria 16/11/2020

A educação é a pedra angular desta nova era; uma educação que deve ser pensada pelos próprios educadores, que eduque para ser e para conhecer. Isso significa ensinar a pesquisar, ou seja, desenvolver a “capacidade de pensar o que ninguém pensou antes”.

Saiba mais

Agenda: Educação para uma Cidadania Global Significativa

Matéria 16/11/2020

Confira os temas de todos os webinários e veja os principais destaques dos encontros que já ocorreram.

Saiba mais

Fundação SM lança programa de Educação para Cidadania Global

Matéria 22/10/2020

Fundação SM trabalha com as escolas para construir uma educação mais global, mais solidária, mais humana e mais inclusiva

Saiba mais

Fundação SM apoia programa de formação em Educação Integral na Bahia

Matéria 21/10/2020

Mais de 700 profissionais de educação do estado da Bahia começaram a participar de um programa de Formação em Fundamentos e Práticas da Educação Integral.

Saiba mais

Fundação SM apoia projeto em prol da alfabetização

Matéria 07/10/2020

“Um sonho feito de linhas” é uma obra inspirada nas histórias de mulheres reais e faz parte de movimento pela alfabetização de todas as crianças até os 7 anos de idade.

Saiba mais

Ver mais notícias