Voltar

Paloma Valdivia – A infância é a pátria de todos

16 de novembro de 2016 Ouvir o texto

“Escrever e ilustrar um livro é o que mais gosto de fazer”, conta Paloma Valdivia, uma criadora de histórias que combina a arte das imagens com a arte das palavras. Original de Santiago, no Chile, ela vive em Barcelona, onde tem desenvolvido livros como Los de arriba y los de abajo e Es así.

“As histórias tomam forma ao mesmo tempo em minha cabeça”, explica Paloma sobre seu processo criativo. Segundo a autora, as histórias costumam partir de ideias autobiográficas ou de algo que chama a sua atenção. Ela revela que quase não faz esboços, mas pensa nas ideias por meses, às vezes anos, e, quando estão terminadas em sua cabeça, as passa para o papel. “Esta última parte é a mais fácil. Parece que está tudo pronto e tenho apenas que transcrever o texto e os desenhos”, diz.

No CILELIJ, Paloma participou do colóquio “O testemunhal, o simbólico e o fantástico na ilustração da literatura infantojuvenil ibero-americana”, coordenado pelo diretor de arte da SM México, Quetzal León, que aconteceu ontem (15), no México.

Leia, a seguir, a entrevista na íntegra.

Como e quando você começou a ilustrar histórias para crianças e jovens?

Paloma Valdivia – Desde criança, sempre gostei de desenhar. Decidi começar a estudar desenho na Universidade Católica do Chile, porque pensei que esse era o caminho. Naquela época, eu não sabia que gostava de ilustração: não conheci o termo até que tomei contato com o Seminário de Ilustração. Minha professora, então, me abriu um mundo. Comecei a ilustrar vários livros no Chile, jornais e revistas. No entanto, eu queria estudar ilustração profissionalmente. Por isso, tão logo terminei a escola, juntei dinheiro e fui para Barcelona. As crianças, a ilustração e contar histórias são a minha paixão.

E a escrever? 

Paloma Valdivia – Ao entrar em contato com feiras e grandes editoras, na Europa, decidi que também queria escrever minhas próprias histórias. Tinha várias em minha cabeça e resolvi estudar a escrita para entender o ofício. Publiquei meu primeiro livro ilustrado, Los de arriba y los de abajo, pela Editorial Kalandraka, da Espanha, no ano de 2009.

O que significa para você escrever e ilustrar para este público?

Paloma Valdivia – Para mim, as crianças são o mais importante, as de agora e as que fomos. A infância é a pátria de todos. Muitas de nossas experiências memoráveis estão lá, e é por isso que as crianças são o meu público favorito. Pessoalmente, me sinto muito conectada com a minha infância, tenho uma ótima lembrança, por isso, escrevo e ilustro para a minha criança. Meus temas são, geralmente, autobiográficos, saem de histórias e situações que vivi e que gostaria de ordenar e esclarecer. Por exemplo, a imaginação em Los de arriba y los de abajo, e a morte de um ente querido em Es así. Tento explicar esses conceitos de uma maneira que eu, em criança, tivesse entendido e apreciado.

Você lembra que livros te inspiraram quando era criança ou adolescente?

Paloma Valdivia – Antes de saber ler, minha mãe já lia para mim, a cada noite, Narizinho [Reinações de Narizinho], de Monteiro Lobato. Essas histórias de personagens e aventuras delirantes, cheias de humor, me marcaram. A produção editorial, em minha infância, no Chile, era bastante precária. Nasci e cresci na ditadura: os livros para crianças, que chegavam em casa, vinham do exterior ou eram antigos. Aproveitei muito também a coleção Cuncuna, da Editorial Quimantú, uma coleção de baixo custo, criada no governo de Salvador Allende. Nesses livros, conheci os desenhos de Fernando Krahn, que inspira até hoje a minha vocação, e as histórias de Marta Brunet ou Floridos Pérez. Aos onze anos, comecei a ler, escondido, os livros de Isabel Allende. Não eram para a minha idade, mas a proibição dessa leitura me transformou em uma leitora adulta.

Concorda que a literatura infantil e juvenil deve ser um “direito em um mundo em transformação”, como diz o título do CILELIJ?

Paloma Valdivia – Compartilho o lema de que a literatura infantil e juvenil deve ser um direito de todas as crianças. Os primeiros livros mostram um mundo a que elas ainda não têm acesso, são as primeiras imagens impressas que elas observam. Suas primeiras visitas a museus ou um livro com belas ilustrações podem formar sua futura apreciação estética. Além disso, as histórias geram novas emoções e apresentam conflitos que elas podem ter acesso antes de vivê-los. A leitura e os livros despertam a imaginação, nos acompanham e nos fazem mais felizes.

O CILELIJ tem três eixos temáticos: o testemunhal, o fantástico e o simbólico. Qual deles você considera que está mais presente em sua obra para crianças e jovens?

Paloma Valdivia – Os três estão presentes de alguma forma, a partir do que eu mesma li ou vivi. Acredito que, ao criar um livro para crianças, é difícil separar esses três eixos. No entanto, o testemunhal é muito importante para mim, já que minha obra se baseia em experiências pessoais, situações reais que ficciono e que estruturo como contos. Testemunho o que vivi, transformo a vivência em fantasia e a simbolizo por meio do desenho.

 

Entrevista publicada originalmente no site da Edições SM México 

Tradução: Priscila Fernandes

 

 

 

Programa Myra promove bate-papos online

Matéria 18/06/2020

Conversas online reuniram diferentes especialistas, bem como as diretoras das escolas públicas parceiras do Programa também foram convidadas para participar de discussões em torno do universo da leitura.

Saiba mais

6º SIEI terá mais dois encontros online

Matéria 17/06/2020

Encontro de junho discutirá a "Docência em tempos de pandemia" e o encontro de julho será sobre "A volta às aulas pós-pandemia".

Saiba mais

Coleção Barco a Vapor está disponível para download

Matéria 17/06/2020

As 15 obras literárias infantis e juvenis vencedoras do Prêmio Barco a Vapor estão disponíveis na íntegra e gratuitamente para download.

Saiba mais

Confira como foi o primeiro SIEI totalmente online

Matéria 17/06/2020

O evento contou com depoimentos gravados de estudantes, familiares, professores e gestores escolares, de diferentes lugares do Brasil e debateu sobre como ensinar e aprender neste período de pandemia: qual o papel da educação integral?

Saiba mais

O mundo sitiado?

Matéria 12/06/2020

"O mundo de ponta-cabeça?" é um conto que nasceu como uma explicação para crianças abaixo dos sete anos, que transmite uma mensagem de esperança a pessoas de todas as idades: o amor nos manterá de pé.

Saiba mais

Ver mais notícias